6 dúvidas frequentes sobre seguro para carros

Existem muitas dúvidas frequentes sobre seguros para carros Renault, Ford, Fiat e muitos outros. Na verdade, pouco importa a marca do modelo, o seguro do carro funciona de forma mais ou menos igual e, assim, é importante saber como ele funciona para contratar um bom seguro na hora de comprar seu próximo automóvel de maneira mais barata e eficaz, mas mantendo uma boa proteção.

É importante ter em mente também que existem muitas situações em que um seguro automotivo é útil. Para se ter uma ideia, um carro é roubado a cada minuto no Brasil. Isso significa que, até o fim da leitura deste conteúdo, entre 5 a 7 veículos terão sido roubados em nosso país. É muita coisa! Um seguro ajuda a proteger contra isso, como também oferece uma camada de proteção contra acidentes (que são muitos!), enchentes (frequentes) e muito mais.

No entanto, é normal ficar com algumas das dúvidas frequentes sobre seguro para carros. Quer elucidá-las? Então siga a leitura do artigo abaixo!

6 dúvidas frequentes sobre seguro para carros

1. O que é o prêmio do seguro?

Apesar do nome dar a entender que se trata de alguma coisa positiva (um “prêmio”), o prêmio do seguro é o dinheiro que é pago pela apólice no momento de contratação do serviço. É o valor que caracteriza a compra do seguro auto, o que dá ao consumidor o direito de usufruir da cobertura que foi adquirida enquanto o contrato estiver em vigor. Como a maioria dos contratos de seguros auto é anual, esse prêmio tem validade de 12 meses e costuma ser parcelado nesse mesmo período, quando os consumidores necessitam.

Se não pagar o prêmio do seguro, o consumidor fica desprotegido e não pode contar com a proteção garantida pela seguradora, precisando arcar com o prejuízo que sofrer por conta própria.

2. O que é a franquia do seguro auto?

A franquia é um valor que deve ser pago pelo consumidor que corresponde à sua parte para arcar com os danos. Isso porque o seguro é uma espécie de “divisão” dos danos entre o motorista e a seguradora. A franquia é a parte que o cliente paga, com o restante sendo da seguradora.

Por exemplo, suponha que você contratou um seguro auto com franquia de R$ 750,00. Então, seu carro sofreu uma batida quando estava estacionado: outro motorista perdeu o controle e acertou a sua porta com tudo. Para trocar toda a lataria da porta e do vidro, o custo na oficina é de R$ 5.000,00. Você paga a franquia, os R$ 750,00, e a seguradora paga todo o resto R$ 4.250,00.

3. O que é perda parcial ou perda total?

Existem dois termos muito comuns usados por seguradoras automotivas na hora de avaliar os danos causados pelos acidentes: a perda parcial e a perda total. No primeiro caso, configura-se como perda parcial qualquer dano ao carro que não ultrapassa 3/4 do valor do automóvel, ou seja, cujos custos de reparo ficam em menos de 75% do valor de mercado do veículo. Isso significa que o carro pode ser consertado e o consumidor pagará a franquia, com a seguradora quitando todo o resto.

Já a perda total acontece quando os danos causados ao veículo ultrapassam o limite de 75% do valor do carro. Nesse caso, a seguradora escolhe não pagar o conserto do carro, pois não vale a pena. Fica mais vantajoso simplesmente comprar um novo automóvel para o usuário.

seguro automotivo perda total e parcial

4. Seguradora pode recusar a proposta?

Sim, pode. Nenhuma seguradora é obrigada a aceitar prestar cobertura para um carro, seja ele qual for o modelo. A empresa tem que apresentar um motivo para a recusa, claro, mas ela não é obrigada a aceitar o acordo.

5. Emprestei o carro para um amigo e ele bateu. O seguro cobre?

Sim, o seguro cobre. Mas depende do caso! Se ficar configurado que o seu amigo costuma dirigir o seu carro pelo menos 1 vez por semana, então ele deve estar incluído como motorista adicional no contrato do seguro. Se não, então o seguro cobre sim os danos causados em um acidente feito por outra pessoa.

O mesmo vale caso seja o manobrista de um restaurante, por exemplo. Nesse caso, normalmente é o próprio estabelecimento que paga pelo conserto, mas a seguradora pode ser acionada em último caso.

amigo bateu carro

6. Posso contratar um seguro auto com nome sujo?

Sim, pode! O seguro não é um tipo de crédito e, portanto, o nome em listas de restrições de crédito não fica impedido de participar de um acordo do tipo.

Pronto! Agora você já conhece a resposta para algumas das dúvidas frequentes sobre seguro para carros. Com essas informações, você pode contratar seguros auto com maior tranquilidade na sua vida, escolhendo o melhor programa ou sistema para o seu modelo, além de encontrar aquele que cabe melhor no seu bolso, independentemente do seu contexto atual.

E aí, gostou das nossas dicas? Então compartilhe este conteúdo nos grupos de WhatsApp para que mais pessoas tenham acesso à essas informações!

Leia também:  Distribuição de corretores nos estados brasileiros